segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Obrigado Excelências




Obrigado, excelências.

Obrigado por nos destruírem o sonho e a oportunidade

de vivermos felizes e em paz.

Obrigado pelo exemplo que se esforçam em nos dar

de como é possível viver sem vergonha, sem respeito e sem dignidade.

Obrigado por nos roubarem. Por não nos perguntarem nada.

Por não nos darem explicações.

Obrigado por se orgulharem de nos tirar

as coisas por que lutámos e às quais temos direito.

Obrigado por nos tirarem até o sono. E a tranquilidade. E a alegria.

Obrigado pelo cinzentismo, pela depressão, pelo desespero.

Obrigado pela vossa mediocridade.

E obrigado por aquilo que podem e não querem fazer.

Obrigado por tudo o que não sabem e fingem saber.

Obrigado por transformarem o nosso coração numa sala de espera.

Obrigado por fazerem de cada um dos nossos dias

um dia menos interessante que o anterior.

Obrigado por nos exigirem mais do que podemos dar.

Obrigado por nos darem em troca quase nada.

Obrigado por não disfarçarem a cobiça, a corrupção, a indignidade.

Pelo chocante imerecimento da vossa comodidade

e da vossa felicidade adquirida a qualquer preço.

E pelo vosso vergonhoso descaramento.

Obrigado por nos ensinarem tudo o que nunca deveremos querer,

o que nunca deveremos fazer, o que nunca deveremos aceitar.

Obrigado por serem o que são.

Obrigado por serem como são.

Para que não sejamos também assim.

E para que possamos reconhecer facilmente

quem temos de rejeitar

Paulo Fernandes

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Caro Pedro

Antes de mais os meus sinceros agradecimentos pela amabilidade que tiveste em prescindir dos poucos momentos em que não tens que carregar o país às costas, para pensar um pouco em nós e nos nossos natais.
Retrataste com a clarividência de poucos a forma penosa como atravessamos esta quadra que deveria ser de alegria, amor e união. És de facto um ser iluminado e somos sem dúvida privilegiados em ter ao leme da nossa nau um ser humano de tão refinada cepa.


Gostava também de ser interlocutor de alguém que queria aproveitar o espírito de boa vontade que a quadra proporciona para te pedir sinceras desculpas…a minha mãe.
A minha mãe é uma senhora de 70 anos, que usufruindo de uma escandalosa pensão de mil e poucos euros, se sente responsável pelo miserável natal de todos os seus concidadãos. Ela não consegue compreender onde falhou, mas está convicta de que o fez…doutra forma não terias afirmado o que afirmaste. Tentarei resumir o seu percurso de vida para que nos ajudes a identificar a mácula.


A minha mãe nasceu em Alcácer do Sal começou a trabalhar com 12 ou 13 anos…já não se recorda muito bem. Apanhava ganchos de cabelo num salão de cabeleireiro, e simultaneamente aprendia umas coisas deste ofício. Casou jovem e mudou-se para a cidade em busca de melhor vida. Sem opções de emprego a minha mãe nunca se acomodou e fazia alguns trabalhos de cabeleireira ao domicilio…nunca se queixou…foi mãe jovem e sempre achou que por esse facto era a mulher mais afortunada do mundo. Arranjou depois emprego num refeitório de uma grande fábrica. Nunca teve qualquer tipo de formação mas a cozinha era a sua grande paixão.
Depois de alguns anos no refeitório aventurou-se no seu grande sonho…ter um negócio próprio de restauração. Quis o destino que o sonho se concretizasse no ano de 1974…lembras-te 1974? O ano em que te tornaste livre? Tinhas o quê? 10 anos?


Pois é…o sonho da minha mãe tem a idade da democracia.
O sonho nasceu pequeno, com pouco mais de 3 ou 4 colaboradoras. Com muita dificuldade, muito trabalho e muitas noites sem dormir foi crescendo e chegou a dar trabalho a mais de 20 pessoas. A minha mãe tem a 4ª classe.
Tu já criaste empregos Pedro? Quer dizer…criar mesmo…investir e arriscar o que é teu…telefonemas para o Relvas a pedir qualquer coisa para uma amiga da Laura não conta como criar emprego. A minha mãe criou…por isso ela não compreende muito bem onde errou. Tudo junto tem mais de 40 anos de descontos para a segurança social. Sempre descontou aquilo que a lei lhe exigia. A lei que tu e outros como tu…gente de tão abnegada dedicação, se entretém a escrever, reescrever, anular, modificar…enfim…trabalhos de outra grandeza que ela não compreende mas valoriza.


Pois como te digo, a minha mãe viu passar o verão quente, os tempos do desenvolvimento sem paralelo, o fechar de todas as fábricas da região, os tempos do oásis, as várias intervenções do FMI, as Expos, os Euros, do futebol e da finança…e passou por isto tudo sempre a trabalhar como se não houvesse amanhã. A pagar impostos todos os meses e todos os anos. IVA, IRC, IRS, IMI, pagamentos por conta, pagamentos especiais por conta, por ter um toldo, por ter a viatura decorada, por ter cão, de selo, de circulação, de radiodifusão…não falhando um único desconto para a sua reforma, não falhando um único imposto. E viu chegar as condicionantes da idade avançada sem lançar um queixume. E foi resolvendo todos os seus problemas de saúde que inexoravelmente foram surgindo, recorrendo a um seguro privado, tentando deixar para aqueles que realmente necessitam, o apoio da segurança social. Em mais de 40 anos de contribuição não teve um dia de baixa, não usufruiu de um cêntimo em subsídios de desemprego. E ela dá voltas e voltas à cabeça e não há forma de se recordar onde possa ter falhado. Mas certamente falhou…


Por isso Pedro, quando eu lhe li a tua carinhosa mensagem, que certamente escreveste na companhia da Laura e com um cobertor a cobrir as vossas pernas para poupar no aquecimento, ela comoveu-se, e cheia de remorsos pediu-me que por esta via te endereçasse um sentido pedido de desculpas.
Pediu também para te dizer que se sente muito orgulhosa de com a redução da sua pensão poder contribuir para que a tua missão na terra seja coroada de sucesso.


És de facto único Pedro. A forma carinhosa como te referes aos sacrifícios que os outros estão fazer, faz-me acreditar que quase os sentes como teus. Sei que sofres por nós Pedro. Sei que cada emprego que se perde é uma chaga que se abre no teu corpo…é um sofrimento atroz que te é imposto…e tudo por culpa de quem? De gente como a minha pobre mãe que mesmo sem querer tem levado toda uma vida a delapidar o património que é de todos. Por isso se a conseguires ajudar a perceber onde errou ficar-te-ei eternamente agradecido. A minha mãe ainda é daquele tipo de pessoas que não suporta a ideia de estar a dever algo a alguém...ajuda-nos pois Pedro.


Aceita por favor, mais uma vez, em nome da minha mãe, sentidas desculpas. Ela diz que apesar de reformada e com menos saúde vai continuar a trabalhar para poder expiar o tanto mal que causou.
Continua Pedro..estás certamente no bom caminho, embora alguns milhões de ingratos não o consigam perceber.
Não te detenhas…os génios raramente são reconhecidos em vida.
Um grande abraço para ti.
Um grande beijo para a Laura
.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Seja você a mudança que, gostaria de ver para o mundo



                           Será assim que se "constroi" um mundo novo e um país decente?                    

O Português é assim:

A- Coloca nome em trabalho/licenciatura, que não fez.

B- Coloca nome de colega que faltou, em lista de presença.

C- Paga para alguém fazer seus trabalhos
.

1. - Saqueia cargas de veículos acidentados nas estradas.

2. - Estaciona nas calçadas, muitas vezes debaixo de placas proibitivas.

3. - Suborna ou tenta subornar quando é apanhado cometendo uma infração.

4. - Troca voto por qualquer coisa: areia, cimento, tijolo, peixe, camisolas e até placas dentárias.

5. - Fala no telemóvel enquanto conduz.

6. - Usa o telefone da empresa onde trabalha para ligar para o telemóvel dos amigos (me dá um toque que eu retorno...) - assim o amigo não gasta nada.

7. - Conduz pela direita e pelos passeios nos engarrafamentos.

8. - Pára em filas duplas, triplas e em frente às escolas.

9. - Viola a lei do silêncio.

10. - Conduz bêbedo.

11. - Furafilas nos bancos, nas repartições públicas, etc. etc. utilizando as maisesfarrapadas desculpas.

12. - Deita  lixo nas ruas, nas calçadas nos jardins.

13. - Usa atestado médico, sem estar doente, só para faltar ao trabalho.

14. - Usurpa
  luz, água e tv a cabo.

15. - Regista imóveis no cartório num valor abaixo do comprado, muitas vezes irrisórios, só para pagar menos impostos.

16. - Compra recibos para abater na declaração das finanças para pagar menos imposto.

17. - Quando viaja em serviço pela empresa, se o almoço custou 10€, pede factura de 20€.

18. - Comercializa objectos doados em campanhas de catástrofes ou para ajuda aos mais necessitados.

19. - Estaciona em espaços exclusivos para deficientes.

20.. - Adultera o velocímetro do carro para vendê-lo, como se fosse pouco rodado.

21. - Compra produtos piratas com a plena consciência de que são piratas.

22. - Substitui o catalisador do carro por um outro que só tem a casca.

23. - Diminui a idade do filho para que este passe por baixo da roleta (catraca) do metrô, sem pagar passagem.

24. - Leva das empresas onde trabalha, pequenos objetos, como clipes, envelopes, canetas, lápis... etc. etc., como se isso não fosse roubo.

25. - Falsifica tudo, tudo mesmo... Só não falsifica aquilo que ainda não foi inventado.

26. - Quando volta do estrangeiro, nunca diz a verdade quando o fiscal aduaneiro pergunta  o que traz na bagagem.

27. - Quando encontra algum objeto perdido, na maioria das vezes não devolve

E quer que os políticos sejam honestos...

Escandaliza-se, em relação aos políticos, com a corrupção, o dinheiro das  cartões de crédito, das despesas nas passagens aéreas e da estadia no estrangeiro...
Esses políticos que aí estão saíram ou não do meio desse mesmo povo?
O Português reclama de quê e porquê, afinal?

E tudo isto é a mais pura verdade, e isso é que é o pior! Então sugiro adotarmos uma  mudança  de  comportamento,  começando  por  nós  mesmos,  onde for    necessário!


sexta-feira, 21 de dezembro de 2012



… para salvar a economia e o País, tiram-se 3.000 milhões aos trabalhadores, dão-se 2.500 milhões aos empregadores e “eles” ficam com os trocos!
Claro, está mesmo a ver-se, é mais do que evidente, que assim o consumo vai aumentar e os empregadores vão investir os tais 2.500 milhões acabando assim com o desemprego!
G’anda Gasparzinho!

Um disparate chamado Gaspar

http://1.bp.blogspot.com/-LLuENvAAg1E/UFDyCNMD2_I/AAAAAAAADbw/x1XSlHrPzw8/s400/Vitor_Gaspar_dedo_no_ar.jpg
Um ministro que dissimula e fala por enigmas não serve.

Perante a declaração do FMI o gago mental das Finanças só tem um coisa a fazer: demitir-se, ou então demiti-lo!
Abebe Selassie diz que “se houver apenas austeridade”, a economia portuguesa “não vai sobreviver” e revela que a ideia de cortar o salários dos trabalhadores do privado foi do Governo e não uma exigência da troika.

Para o chefe de missão do FMI em Portugal, o aumento da contribuição dos trabalhadores é uma forma “criativa” de resolver o problema do défice e da competitividade. Quanto ao impacto no salário dos trabalhadores do sector privado, Selassie admite que a medida “tem de ser calibrada, para que o impacto sobre os pobres seja tido em conta”.

[...]

Na entrevista ao “Público”, o responsável do FMI alerta também que “se o programa for apenas austeridade, a economia não vai sobreviver”, sendo por isso que foi dado mais um ano a Portugal para o País atingir um défice abaixo dos 3%.

Jornal de Negócios, 12 Setembro 2012 | 20:23

Ministro Gaspar pede aos portugueses seis vezes mais do que precisa cortar para nova meta do défice

O Diário de Notícias fez as contas e escreve hoje que o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, só precisa de cortar 850 milhões de euros mas está a pedir seis vezes mais. De acordo com o jornal, o Governo pediu aos portugueses um esforço de redução do défice "na ordem dos 4,9 mil milhões de euros", um valor quase seis vezes superior à redução necessária combinada com a troika para cumprir a meta de 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do défice no próximo ano.

Notícias ao Minuto/ Diário Notícias, Quarta, 12 de Setembro de 2012

Ficámos hoje a saber três coisas importantes:

— o ministro das finanças apresentou medidas drásticas de austeridade destinadas a reduzir o endividamento do país, usando como justificação uma previsão do défice para este ano 1pp abaixo da estimativa mais realista e negativa que escondeu dos portugueses, cenário prontamente denunciado pelo BNP Paribas.
“As previsões do BNP Paribas apontam para que [...] o défice deste ano fique em 6% do PIB, ou seja, um ponto percentual acima da nova meta.

Mas não é só nas metas do défice que o BNP Paribas acredita que o Governo está a ser optimista. “Para 2013 vemos riscos significativos de revisão em baixa da meta para o crescimento”, diz o BNP Paribas.

Mesmo antes das novas medidas de austeridade anunciadas para 2013, o banco francês já antevia uma contracção de 1,3% no PIB português no próximo ano. Agora o BNP vai rever em baixa esta previsões, que serão certamente piores do que as estimativas do Governo.

Jornal de Negócios, 12 Setembro 2012 | 11:18

— o ministro deixou flutuar a ideia de que o recurso à austeridade unilateral, com escandalosa e canina submissão aos bancos e ao Bloco Central daCorrupção, suas PPPs e monopólios rendeiros, teria sido uma exigência da Troika, quando não foi!

— o ministro anunciou a intenção de levar a cabo mais uma expropriação fiscal dos rendimentos do trabalho, da poupança e da propriedade, seis vezes acima das supostas necessidades de financiamento do défice previsível, sem que tenha dado alguma justificação para semelhante exibição de insensibilidade e de verdadeiro terrorismo fiscal.

A explicação dada esta tarde para a punção fiscal seria a de uma medida de precaução. Se é verdade, há que esmiuçar os argumentos. Se a prudência se deve à mentira ministerial sobre a previsão do défice para este ano, e sobre a previsão otimista da recessão em 2013, então o gago mental das Finanças e a parelha dos Condes de Abranhos que dirigem este governo devem ser postos na rua. Ou seja, o presidente da república só tem que fazer uma coisa: demitir o governo e chamar o PSD a formar outro governo!

Mas há outra explicação para o terrorismo fiscal em curso: é que as privatizações da TAP e da ANA marcam passo, sendo que só a TAP, além de precisar em breve de 500 milhões de euros, tem um buraco escondido na ordem dos TRÊS MIL MILHÕES DE EUROS — sendo o grupo BES um dos seus mais interessados credores!

Se se investigar a sério isto, começando por divulgar os contratos e anexos das PPPs, bem como as contas da ANA, talvez venhamos a constatar que as duas enfadonhas horas de comunicação do gago das finanças tentou tão só esconder mais um caso de polícia!

A queda deste governo está em curso, e quanto mais depressa corrermos com o dito, melhor!

Passos Coelho é um Sócrates laranja. É urgente despedir com justíssima causa semelhante criatura, como é urgente esmagar de vez o Bloco Central daCorrupção!

ÚLTIMA HORA

Manuela Ferreira Leite arrasa governo e desafia deputados laranja a chumbar o Orçamento! É imprescindível ver toda a entrevista à TVI (quando estiver disponível).
Manuela Ferreira Leite desafiou os deputados a travarem o Orçamento de Estado para 2013, por discordar das novas medidas de austeridade anunciadas por Pedro Passos Coelho e Vítor Gaspar.

«Em relação ao orçamento, cada um de nós, em consciência, faça aquilo que deve fazer para tentar inverter a orientação política que tem estado a ser seguida... Estou à espera de ver como vão reagir os deputados. Estou para ver se votam a favor, se votam contra, se aceitam tudo...», afirmou, em entrevista à TVI24.

MFL é uma menina bem comportada do Cavaco (que abomino!), mas creio que daria uma PM à altura do momento, ao contrário dos agentes que a Goldman Sachs colocou em Lisboa, e do produto fabricado pelo Ângelo com dinheiro do BES a que chamam primeiro ministro.

A entrevista de MFL, depois do Grito do Ipiranga dado pelo deputado da JSD, Duarte Marques, é o tiro de partida para o afundamento deste governo. De Passos de Coelho e do burro diplomado Relvas não há mais nada a esperar.
 antonio cerveira pinto



Há coisas que precisei de viver mais de meio século, para ver e crer. Sempre me disseram e eu cria ser verdade, que ninguém pode dar o que não tem, e que não nos podem roubar o que não possuímos.

Ora o nosso governo (inteiro, isto não é só da fraca cabeça do nosso 1º) consegue, através de manigâncias e engenharias macacas, roubar-nos algo que já nos havia tirado. Na minha terra diz-se que quem dá e tira vai para o inferno. Também concluo hoje que, isso era mais uma falsa verdade. Afinal quem vai para o inferno são os que recebendo pelo seu trabalho, lho tiram e, depois ainda lho voltam a tirar, com valor acrescentado.

Também sempre ouvi dizer que a usura e a avareza eram pecados capitais que levavam directamente ao inferno. Afinal o Belmiro, o do Pingo Doce (não gosto de lhe repetir o nome, pois não sei holandês), o Mexia, os chineses da EDP, os banqueiros e muitos outros, também deviam acreditar no mesmo que eu, e, para evitar a descida ao inferno, quando baterem as botas, encarregaram o nosso 1º de levar a cabo a avareza e a usura que, a eles lhes trará mais uns milhões para o bolso, à pala dos trabalhadores portugueses e dos reformados também. Benesse que, para “ficar bem” até contestam publicamente, mas BAIXINHO.

Assim, na hora de prestar contas, eles ganham o céu e o PPC vai certamente ser queimado na fogueira infernal.
Hoje aprendi também que, UM LADRÃO QUE SE PREZA, ROUBA QUANDO HÁ E ROUBA AINDA MAIS, MESMO QUANDO TODOS ACHAM QUE NADA SOBROU DO PRIMEIRO ASSALTO
. Expresso



por Tomás Vasques, em 12.09.12
Por estes dias, o país político parece um manicómio.
Pouco mais de um ano depois do actual governo ter tomado posse, percebe-se – percebe cada vez maior número de portugueses – que esta equipa governativa, por incompetência e obsessão ideológica, agravou substancialmente os problemas com que Portugal já se debatia.
O memorando inicial acordado com a troika, porque se trata de um produto de “falcões” financeiros, deveria ser cumprido no seu limite mínimo, para bem dos portugueses e da nossa economia. O governo assumiu, desde o primeiro momento, o radicalismo de “ir além do memorando”, avançando pelo caminho mais fácil: sacar tudo o que pudesse sacar aos portugueses, sobretudo aos mais necessitados.
Os resultados estão à vista. A economia desfaz-se. O consumo interno cai a pique. As empresas desaparecem. O desemprego aumenta. Em suma, maior pobreza, menos receitas fiscais, mais défice orçamental.
A cegueira impediu-os de ver as consequências do caminho que trilharam.
O desastre é tão grande que, mesmo com a troika a conceder mais tempo, e a aligeirar as metas, as medidas de austeridade não têm fim.
Entrámos num círculo da loucura: mais austeridade para tapar os “buracos” orçamentais, o que provoca mais “buracos” a exigir mais austeridade.
Este governo já não consegue sair deste círculo em que afundou Portugal. Daí a desorientação que marca estes dias. Vítor Gaspar já não sabe o que diz. Enumera “medidas necessárias” para 2013 e meia dúzia de horas depois, pressionado pelos próprios deputados da coligação que nos governa, diz que pode aliviar algumas dessas medidas; para a seguir dizer que ainda faltam “medidas” para alcançar o deficit deste ano que está nos 6% e é necessário vir para os 5%.
Paulo Portas entra em “reflexão” e consulta os órgãos políticos do seu partido. A indignação popular e a revolta em relação às injustiças deste governo já não vão recuar.
Tirar dinheiro a que trabalha para o dar aos seus patrões foi a gota de água que desmascarou definitivamente este governo.
Este governo já é um cadáver. Está à espera de ser enterrado. Esperemos que o velório não dure muito tempo.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Para quem está interessado acabar com o Estado Social.






Princípios Éticos e Valores Morais 



LUIS MONTEZ, que é genro de Cavaco Silva, apresentou uma certidão passada pelo serviço de Finanças Lisboa-10, que refere que a empresa tem a sua situação tributária regularizada, mas a verdade é que na lista de processos activos consta uma dívida de 421 mil euros, a que acresce 66 mil euros de juros de mora e e mais de três mil euros de custas.
17 Maio 2006 - "Público"

Dois meses depois da nacionalização do banco, Luís Montez foi chamado ao BPN para pagar 260 mil euros de uma conta caucionada e de uma livrança, escreve a “Sábado”.
13 Janeiro 2011 - "Sábado"

Luís Montez, casado com Patrícia Cavaco Silva, prepara-se para voltar a fazer um investimento na área do imobiliário na costa alentejana. Aparentemente alheio à crise que o país atravessa, o genro do Presidente da República, está a pensar adquirir a Herdade do Sardão.
29 Novembro 2011 - "Público"


Entretanto, e apesar de ESTAR CARREGADO DE DÍVIDAS, o marido de Patrícia Cavaco Silva, Luís Montez, comprou ontem 5ª feira, o PAVILHÃO ATLÂNTICO no Parque das Nações (ex-Parque Expo em Lisboa) por 21,2 MILHÕES DE EUROS.
27 Julho 2011 - "Sábado"


 



 

CORRUPÇÃO AO MAIS ALTO NÍVEL (2)
A VENDA DO PAVILHÃO ATLÂNTICO

 
Sabendo-se que Luis Montez, o genro de Cavaco Silva comprou o Pavilhão Atlântico em saldo, que vai recuperar o investimento enquanto o diabo esfrega um olho e que Cavaco Silva está, tal como Vítor Gaspar, protegido da austeridade enquanto pensionista do BdP, a dúvida agora está em saber quantos salários ou impostos nos vão custar o Pavilhão Atlântico. É que se para um grupinho familiar restrito foi um negócio da China comprar uma moderníssima infra-estrutura por três vezes menos do que efectivamente vale, para muitos e muitos outros cidadãos será certamente um novo saque aos salários para compensar este belo negócio do genro do Presidente com a sua influência, indubitavelmente.

Cabendo a Cavaco Silva a promulgação dos OE e sabendo-se da tentação deste governo para medidas inconstitucionais, os portugueses estariam mais tranquilos se o governo não tivesse vendido um pavilhão (que ninguém o obrigou a vender) a um familiar de quem muitas vezes tem a faca e o queijo na mão.

Neste país onde uns sofrem com austeridade e outros enriquecem mais facilmente do que nunca, e cabendo ao governo e ao Presidente da República decidir quem vai passar fome e quem vai poder comprar um BMW novo, seria mais saudável para a democracia que este tipo de negócios não se realizassem ou, caso fosse mesmo necessário, que os preços fossem outros e não este.

Assim sendo, ficamos com a sensação de que alguém foi autorizado a cortar os subsídios e a desculpa de Cavaco para não mandar o OE para o Tribunal Constitucional foi mesmo muito esfarrapada. Até nos podem dizer que o genro do Cavaco Silva é um comerciante como qualquer outro. Pois é, mas o facto é que Portugal já teve outros três presidentes eleitos, todos eles com família e não há memória nem de negócios com acções da SLN / BPN nem de vendas de património público a preço de saldo aos seus familiares. Da mulher de César não se espera apenas que seja honesta, exige-se que pareça.

 
Como é possível que um indivíduo carregado de dívidas e sobre quem se aconselha seriamente a não se emprestar dinheiro, pode comprar por 21,2 milhões de euros esta sofisticada infra-estrutura altamente equipada e que custou 3 vezes mais há 14 anos? Só - obviamente - por ter havido corrupção.
 

“Há jogos atrás da cortina, habilidades e corrupção. Este Governo é profundamente corrupto nestas atitudes a que estamos a assistir” - Bispo Januário Torgal Ferreira, 16/07/2012.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012


O presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, Miguel Oliveira da Silva, participava numa conferência sobre o acesso aos medicamentos, mas optou por revelar que a gripe A foi “um embuste” criado pela OMS e que o número de cesarianas em Portugal é “uma vergonha”.
Um dos subscritores da polémica afirmação sobre o “racionamento dos medicamentos”, Miguel Oliveira da Silva, foi um dos convidados pelo Diário Económico para uma conferência sobre o Serviço Nacional de Saúde. O presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida estava a comentar os aspetos éticos no acesso aos fármacos quando derivou para outros temas ‘quentes’ do setor.
Aproveitando o tema dos medicamentos, Miguel Oliveira da Silva afirmou que a gripe A, cujo medo de uma pandemia dominou as atenções há poucos anos, foi “uma mentira, um embuste criado pela Organização Mundial de Saúde”, um organismo que, disse, é “completamente dominado pelas farmacêuticas”.
Quanto à saúde em Portugal, o presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida criticou o “comércio” existente nos partos, quando confrontado com o elevado número de cesarianas realizadas no país, que chegam a corresponder a 65,7 por cento dos partos no setor privado: “é uma vergonha. A isto chama-se comércio, chama-se desonestidade”.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012



A opção da simplicidade.

Muitas pessoas reclamam da correria das suas vidas. Acham que têm compromissos demais e culpam a complexidade do mundo moderno. Entretanto, inúmeras vezes multiplicam suas tarefas sem real necessidade. 

Viver com simplicidade é uma opção que se faz. Algumas coisas consideradas imprescindíveis à sua vida, na realidade são supérfluas. Entretanto buscam coisas, as pessoas se esquecem da vida em si. Angustiadas por múltiplos compromissos, não reflectem sobre a sua realidade íntima. 

Esquecem do que gostam, não pensam no que lhes traz Paz. Que adianta ganhar o mundo e perder-se a si próprio. Se as pessoas não tomarem cuidado, Ter e Parecer podem tomar o lugar do Ser. Ninguém necessita trocar carro, telemóvel constantemente, ter incontáveis pares de sapatos, sair todos os fins-de-semana que a acaba por ser rotineiro. 

É possível reduzir a própria agitação, conter o consumismo e redescobrir a simplicidade. O simples é aquele que não simula ser o que não é, que não dá demasiada importância à sua imagem, ou que outros possam dizer e pensar dele. A pessoa simples não calcula o resultado de cada gesto, não tem artimanhas e nem segundas intenções. Não se trata de levar uma vida inconsciente, mas reencontrar a própria infância, mas uma infância com virtude, não constrangida da vida. Uma infância sem angústias e com dúvidas de quem ainda tem tudo para fazer e conhecer.

A simplicidade não ignora, apenas aprendeu a valorizar o essencial, pequenos prazeres da vida, uma conversa interessante, olhar as estrelas, andar de mãos dadas, saborear um gelado. Tudo isso representa a simplicidade do existir. Não é necessário ter muito dinheiro ou ser importante para ser feliz. Mas é difícil ter felicidade sem tempo para fazer o que se gosta, não há nada de errado com o dinheiro ou sucesso. 

É bom é importante trabalhar, estudar e aperfeiçoar-se, progredindo sempre é uma necessidade humana. Mas isso não implica em viver angustiado. Se o preço do sucesso for a ausência de Paz, as coisas ficam procurando ser, uma pessoa de Valores em vez de procurar o sucesso.para trás, mais cedo ou mais tarde. Mas há tesouros imateriais que jamais se esgotam, amizades verdadeiras, um amor sincero, de viver, a serenidade da Paz de espirito… são alguns deles, prestar atenção como gastamos o tempo, analisar as coisas que valorizamos e ver se muitas delas não são apenas um peso desnecessário em nossa existência. 

Experimentar desapegar-se dos excessos e optar pela simplicidade, talvez redescobrir a alegria.



sábado, 8 de dezembro de 2012

Proposta ao governo


Colocar os nossos idosos nas cadeias, e os delinquentes fechados nas casas dos velhos .

Desta maneira, os idosos teriam todos os dias acesso a um duche, lazer, passeios.

Não teriam necessidade de fazer comida, fazer compras, lavar a loiça, arrumar a casa, lavar roupa etc.

Teriam medicamentos e assistência médica regular e gratuita.

Estariam permanentemente acompanhados.

Teriam refeições quentes, e a horas.

Não teriam que pagar renda pelo seu alojamento.

Teriam direito a vigilância permanente por vídeo, pelo que
receberiam assistência imediata em caso de acidente ou emergência, totalmente gratuita.

As suas camas seriam mudadas duas vezes por semana, e a roupa lavada e passada com regularidade.
 

Um guarda visitá-los-ia a cada 20 minutos e levar-lhes-ia o correio directamente em mão.

Teriam um local para receberem a família ou outras visitas.

Teriam acesso a uma biblioteca, sala de exercícios e terapia física / espiritual.

Seriam encorajados a arranjar terapias ocupacionais adequadas, com formador instalações e equipamento gratuitos.

Ser-lhes-ia fornecido gratuitamente roupa e produtos de higiene pessoal.

Teriam assistência jurídica gratuita.

Viveriam numa habitação privada e segura, com um pátio para convívio e exercícios.

Acesso a leitura, computador, televisão, rádio e chamadas telefónicas na rede fixa.

Teriam um secretariado de apoio, e ainda Psicólogos, Assistentes Sociais, Políticos, Televisões, Amnistia Internacional, etc., disponíveis para escutarem as suas queixas.

O secretariado e os guardas seriam obrigados a respeitar um rigoroso código de conduta, sob pena de serem duramente penalizados.

Ser-lhes-iam reconhecidos todos os direitos humanos internacionalmente convencionados e subscritos por Portugal.


Por outro lado,
nas casas dos idosos:

Os delinquentes viveriam com
200 €, fechados, numa pequena habitação com obras feitas há mais de 50 anos.

Teriam que confeccionar a sua comida e comê-la muitas vezes fria e fora de horas.

Teriam que tratar da sua roupa.

Viveriam sós e sem vigilância.

Esquecer-se-iam de comer e de tomar os medicamentos e não teriam ninguém que os ajudasse.

De vez em quando seriam vigarizados, assaltados ou até violados.

Se morressem, poderiam ficar anos, até alguém os encontrar.

As instituições e os políticos não lhes ligariam qualquer importância.

Morreriam após anos à espera de uma consulta médica ou de uma operação cirúrgica.

Não teriam ninguém a quem se queixar.

Tomariam um banho de 15 em 15 dias, sujeitando-se a não haver água quente ou a caírem na banheira velha,

Passariam frio no Inverno porque a pensão de
200 € não chegaria para o aquecimento.

O entretenimento diário consistiria em ver telenovelas, a Fátima, o Goucha, a Júlia Pinheiro e afins, na televisão.

Digam lá se desta forma não haveria mais justiça para todos, e os contribuintes agradeceriam?

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

A raiz de todos os males


Foi Cavaco Silva enquanto primeiro ministro permitiu o desbaratar de fundos europeus em obras faraónicas e inúteis, desde piscinas e pavilhões desportivos sem utentes, ao desnecessário Centro Cultural de Belém. Foi o seu ministroFerreira do Amaral que hipotecou o estado no negócio da Ponte Vasco da Gama.

Foi António Guterres, que decidiu esbanjar centenas de milhões de euros na construção de dez estádios de futebol. Foi também no seu tempo que se construiu o Parque das Nações, o negócio imobiliário mais ruinoso para o estado em toda a história de Portugal.

Foi mais tarde, já com Durão Barroso e o seu ministro da defesa Paulo Portas, que ocorreu o caso de corrupção na compra de submarinos a uma empresa alemã.

Mas o descalabro maior ainda estava para chegar. Os mandatos de José Sócratesficarão para a história como aqueles em que os socialistas entregaram os principais negócios de estado ao grande capital. Concederam-se privilégios sem fim à EDP e aos seus parceiros das energias renováveis; celebraram-se os mais ruinosos contratos de parceria público-privada, com todos os lucros garantidos aos concessionários, correndo o estado todos os riscos. O seu ministro Teixeira dos Santosnacionalizou e assumiu todos os prejuízos do BPN.

Finalmente, chegou Passos Coelho, que prometeu não aumentar impostos nem tocar nos subsídios, mas quando assumiu o poder, fez exactamente o contrário. Vitor Gaspar farta-se de fazer disparates que não pára de subir taxas de imposto. A colecta diminui, a dívida pública cresce, a economia soçobra.


Agora digo eu CA, ontem um povo que conquistou o mundo, hoje um povo que lhe falta qualquer coisa entre as pernas. Talvez coma em excesso frangos de aviário.    

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012


Aos internautas

A pessoa que enviou esta informação é um técnico de computador que
passa muito tempo a apagar spams dos seus clientes, e a ouvir as suas
queixas sobre a lentidão do equipamento.

Nem todos os e-mails enviados são maus, apenas alguns.

Sugiro que leia esta mensagem até ao último parágrafo.

Eis o que ele escreveu:

1) Sempre que ler - "enviar este email para" 10 "(ou qualquer
outro número) de pessoas", "assinar esta petição", "vai ter má sorte",
"terão boa sorte" ou "algo engraçado aparecerá na a tela depois de
enviá-lo "," etc. " pode presumir que o correio tem um cookie que irá
acompanhar tanto o seu e-mail como o das pessoas para quem o
reencaminhar.

2) O autor original que lhe enviou o e-mail fica com uma cópia
cada vez que seu e-mail é reenviado. Essas cópias permitem-lhe
compilar uma lista de "e-mail ativo", (a quem você reenvia) para
enviar spams ou vender essas listas a quem envia spams.

 Cuidado com mensagens que dizem "se você tem vergonha de ter fé em
Deus, Jesus
, etc. São mensagens rastreadoras que estão a chantagear a
sua consciência. Não seja tímido e não se deixe convencer! A essas
pessoas não lhes importa como obter a o seu endereço de e-mail .....
desde que o obtenha.

Também os e-mails que falam sobre crianças desaparecidas ou crianças
com uma doença incurável
, "Como você se sentiria se fosse o seu filho?", ou animais abandonados, etc. Eles também são rastreadores de e-mails.
Ignore-os e não siga o jogo!

3) Quase todos os e-mails que pedem que adicione o seu nome e o
reenvie para seus contatos, são semelhantes às cartas de há anos, em que os entrevistados foram convidados a enviar cartas para
uma menina da Flórida que queria quebrar o recorde Guinness por ter
recebido o maior número de postais.

4) Esse golpe, como quase todo o correio deste tipo, é uma forma de
tele-comerciantes obterem a validação de endereços de e-mail para ganho pessoal.

Pode fazer um grande favor para sua família e amigos, se reenviar ESTA INFORMAÇÃO.
Nós estamos a fazer um serviço real. A recompensa será que, no futuro, ninguém receba spams!

 Ajude-se a si mesmo e evite adicionar o seu nome a estes tipos de
listas
, independentemente de quão atraentes elas possam parecer, ou
que tentem fazer você se sentir culpado se você não participar.
Apenas pretendem obter a sua lista de e-mail.

Você pode acreditar que você está apoiando uma boa causa. Isso não é
verdade!. Tudo o que está a fazer é receber toneladas de
lixo eletrónico, e talvez até mesmo vírus
. Além disso, você está
ajudando quem envia o email a ficar rico. Não lhes facilite o trabalho.

 ALEM DISSO: os pedidos por e-mail não são aceites pelo Assembleia da Republica ou qualquer outra agência governamental, tais como Segurança Social, etc.
Para uma petição ser aceitável deve ter uma assinatura manuscrita
e endereço completo da pessoa que assina, assim isso é apenas um
desperdício de tempo e estará a ajudar quem quer copiar o seu
e-mail.


 Dicas para lidar com os promotores que fazem uma oferta por telefone

¡¡Quatro palavras que funcionam!!

(1) Os quatro pequenas palavras são: "Um momento por favor ... '
Se você diz isso e, em seguida, deixa o telefone fora do gancho (em
vez de desligar imediatamente), cada chamada de telemarketing será tão
longo para os vendedores que terão de encontrar outro método de vendas.
Um pouco mais tarde, quando você ouvir o bip-bip-bip, você sabe que é
hora de desligar. A sua missão já foi cumprida.
Estas quatro palavras pouco vão ajudar a eliminar chamadas
indesejadas: "um momento por favor".

(2)¿ Alguma vez você já recebeu uma dessas odiosas chamadas mudas em que ninguém diz nada?.
Nestes casos, é uma máquina que faz a chamada e regista a hora em que a pessoa atende o telefone.
Esta técnica é usada para determinar qual a melhor hora do dia para um
vendedor "humano" saber que alguém estará a responder
.
¿O que você pode fazer depois de atender e você percebe que é uma
chamada muda? ......
Prima o botão # no telefone 6 ou 7 vezes tão rápido quanto possível.
Isso confunde a máquina que discou o seu número e isso exclui-o do sistema.
¡¡¡Então você não fica mais nessa lista!!! .....

Por vias das duvidas não reenviei. Fiz uma colagem e coloquei-o aqui. E também não acredite em coisas que aqui estão escritas. Organizações como Greenpeace, Amnistia Internacional, etc. Usam o facebook e email para assinar petições. Ultimamente  foi ganha uma grande batalha, a qual  se deve a vida de uma comunidade de índios graças a este métodos. Depende de si fazer a avaliação. 

domingo, 2 de dezembro de 2012

Fazer aquilo que não foi feito


1. Reduzir as mordomias (gabinetes, secretárias, adjuntos, assessores,
suportes burocráticos respectivos, carros
 atestados, motoristas, etc.) dos
ex-Presidentes da República.

2. Redução do número de deputados da Assembleia da República para 80,
profissionalizando-os como nos países a sério. Reforma das mordomias na
Assembleia da República, como almoços opíparos, com digestivos e outras
libações, tudo à custa do pagode.

3. Acabar com centenas de Institutos Públicos e Fundações Públicas que não
servem para nada e, têm funcionários e administradores com 2º e 3º emprego.

4. Acabar com as empresas Municipais, com Administradores a auferir
milhares de euro/mês e que não servem para nada, antes, acumulam funções
nos municípios, para aumentarem o bolo salarial respectivo.

5. Por exemplo as empresas de estacionamento não são verificadas porquê? E
os aparelhos não são verificados porquê? É como um táxi, se uns têm de
cumprir porque não cumprem os outros? e se não são verificados como podem
ser auditados*?

6. Redução drástica das Câmaras Municipais e Assembleias Municipais, numa
reconversão mais feroz que a da Reforma do Mouzinho da Silveira, em 1821.

7. Redução drástica das Juntas de Freguesia. Acabar com o pagamento de 200
euros por presença de cada pessoa nas reuniões das Câmaras e 75 euros nas
Juntas de Freguesia.

8. Acabar com o Financiamento aos partidos, que devem viver da quotização
dos seus associados e da imaginação que aos outros exigem, para conseguirem
verbas para as suas actividades.

9. Acabar com a distribuição de carros a Presidentes, Assessores, etc, das
Câmaras, Juntas, etc., que se deslocam em digressões particulares pelo
País;.

10. Acabar com os motoristas particulares 20 h/dia, com o agravamento das
horas extraordinárias... para servir suas excelências, filhos e famílias e
até, os filhos das amantes...

11. Acabar com a renovação sistemática de frotas de carros do Estado e
entes públicos menores, mas maiores nos dispêndios públicos.

12. Colocar chapas de identificação em todos os c arros do Estado. Não
permitir de modo algum que carros oficiais façam serviço particular tal
como levar e trazer familiares e filhos, às escolas, ir ao mercado a
compras, etc.

13. Acabar com o vaivém semanal dos deputados dos Açores e Madeira e
respectivas estadias em Lisboa em hotéis de cinco estrelas pagos pelos
contribuintes que vivem em tugúrios inabitáveis.

14. Controlar o pessoal da Função Pública (todos os funcionários pagos por
nós) que nunca está no local de trabalho. Então em Lisboa é o regabofe
total. HÁ QUADROS (directores gerais e outros) QUE, EM VEZ DE ESTAREM NO
SERVIÇO PÚBLICO, PASSAM O TEMPO NOS SEUS ESCRITÓRIOS DE ADVOGADOS A CUIDAR
DOS SEUS INTERESSES, QUE NÃO NOS DÁ COISA PÚBLICA.

15. Acabar com as administrações numerosíssimas de hospitais públicosque
servem para garantir tachos aos apaniguados do poder - há hospitais de
província com mais administradores que pessoal administrativo. Só o de
PENAFIEL TEM SETE ADMINISTRADORES PRINCIPESCAMENTE PAGOS... pertencentes ás
oligarquias locais do partido no poder.

16. Acabar com os milhares de pareceres jurídicos, caríssimos, pagos sempre
aos mesmos escritórios que têm canais de comunicação fáceis com o Governo,
no âmbito de um tráfico de influências que há que criminalizar, autuar,
julgar e condenar.

17. Acabar com as várias reformas por pessoa, de entre o pessoal do Estado
e> entidades privadas, que passaram fugazmente pelo Estado.

18. Pedir o pagamento dos milhões dos empréstimos dos contribuintes ao BPN
e BPP.

19. Perseguir os milhões desviados por Rendeiros, Loureiros e Quejandos,
onde quer que estejam e por aí fora.

20. Acabar com os salários milionários da RTP e os milhões que a mesma
recebe todos os anos.

21. Acabar com os lugares de amigos e de partidos na RTP que custam milhões
ao erário público.

22. Acabar com os ordenados de milionários da TAP, com milhares de
funcionários e empresas fantasmas que cobram milhares e que pertencem a
quadros do Partido Único (PS + PSD).

23. Acabar com o regabofe da pantomina das PPP (Parcerias Público Privado),
que mais não são do que formas habilidosas de uns poucos patifes se
locupletarem com fortunas à custa dos papalvos dos contribuintes, fugindo
ao controle seja de que organismo independente for e fazendo a "obra" pelo
preço que "entendem".

24. Criminalizar, imediatamente, o enriquecimento ilícito, perseguindo,
confiscando e punindo os biltres que fizeram fortunas e adquiriram
patrimónios de forma indevida e à custa do País, manipulando e aumentando
preços de empreitadas públicas, desviando dinheiros segundo esquemas
pretensamente "legais", sem controlo, e vivendo à tripa forra à custa dos
dinheiros que deveriam servir para o progresso do país e para a assistência
aos que efectivamente dela precisam;

25. Controlar rigorosamente toda a actividade bancária por forma a que,
daqui a mais uns anitos, não tenhamos que estar, novamente, a pagar "outra
crise".

26. Não deixar um único malfeitor de colarinho branco impune, fazendo com
que paguem efectivamente pelos seus crimes, adaptando o nosso sistema de
justiça a padrões civilizados, onde as escutas VALEM e os crimes não
prescrevem com leis à pressa, feitas à medida.

27. Impedir os que foram ministros de virem a ser gestores de empresas que
tenham beneficiado de fundos públicos ou de adjudicações decididas pelos
ditos.

28. Fazer um levantamento geral e minucioso de todos os que ocuparam cargos
políticos, central e local, de forma a saber qual o seu património antes e
depois.
29. Pôr os Bancos a pagar impostos.
 
Assim e desta forma, Sr. Ministro das Finanças, recuperaremos depressa
a nossa posição e sobretudo, a credibilidade tão abalada pela corrupção que
grassa e pelo desvario dos dinheiros o Estado.